Você Precisa Ver: O Batedor de Carteiras

By Maykon Alves
In março 15, 2021

Pickpocket

Ano.: 1959

Gênero.: Drama, Crime

País de Origem.: França

Dirigido por.: Robert Bresson

Trilha Sonora.: Jean-Baptiste Lully* (Transcrição por: Fernand Oubradous)

Cinematografia.: Léonce-Henri Burel

Direção de Arte.: Pierre Charbonnier     

Avaliação.: Rotten Tomatoes.: 95% | IMDB.: 7,7/10

Onde Assistir.: Telecine Play

“Eu sei que aqueles que fizeram essas coisas geralmente ficam calados, e aqueles que falam disso não fizeram nada. Já havia tomado minha decisão há alguns dias. Mas eu teria coragem?”

Michel é um batedor de carteiras que vive em Paris. Ele faz isso por compulsão, pois tem uma sensação de alegria ao cometer seus crimes, ao invés do dinheiro em si, já que ele não o gasta em bens materiais externos. Por exemplo, ele mora em um casebre com apenas um gancho trancando a porta por dentro. Ele justifica suas ações usando o que provavelmente está ciente que é um conjunto distorcido de moral.

Sem nenhum outro meio de renda visível, ele acredita que algumas pessoas em sua vida suspeitam do que ele faz, como seu amigo Jacques, enquanto outras não têm ideia, como sua mãe doente, que ele ama, mas não visita com frequência, talvez para evitar as perguntas óbvias dela. Ele também acredita que a polícia sabe sobre ele, mas ainda não foi capaz de provar nenhum crime específico, embora ele não saiba se eles o estão perseguindo ativamente, apesar de encontros frequentes com um certo inspetor.

Enquanto faz seus negócios, ele consegue identificar outros batedores de carteira e, embora seja em grande parte um autodidata, ele faz uma parceria com outros dois, um que lhe mostra os truques do comércio. As questões são se esta vida é realmente autor realizável para ele, se a polícia acabará por alcançá-lo e se ele pode encontrar qualquer outra coisa na vida que considere igualmente estimulante para substituir a batida de carteiras.

Curiosidades

– Banido na Finlândia até 1965 devido a sua representação de técnicas autênticas de furto de carteira.

–  Michel estuda o livro “Prince of Pickpockets” (1930), uma biografia do batedor de carteiras irlandês George Barrington escrita por Richard S. Lambert.

Qual sua nota para o filme?

“Eu sou apenas um rapaz latino-americano, sem dinheiro no banco, sem parentes importantes e vindo do interior” Uma frase que define muitos e a minha pessoa também. E mais do que isso, um publicitário contador de piadas ruins, apaixonado por café e uma boa cerveja. Uma pessoa excêntrica, com gostos peculiares e mais do que tudo, um fascinado pela 7ª arte.

Deixe um comentário